Cultura Geral

The Russian Cosmonaut

So the cosmonaut—he’s the first man ever to go into space. He goes up in this big spaceship but the inhabitable part of it is very small.

He has this portal window and he sees the curvature of the earth. For the first time. The first man to ever look at the planet he’s from. And he’s lost in that moment. And all of a sudden, this strange ticking is coming out of the dashboard. He rips out the control panel, and he tries to find this sound. To stop this sound. He can’t find it. He can’t stop it. It keeps going.

 A few hours into it feels like torture. A few days go by with this sound and he knows that this small sound will break him. He’ll lose his mind.

 What’s he going to do? He’s up in space. Alone. In a space closet. He has 25 days left to go with this sound.

 Well, the cosmonaut decides that the only way to save his sanity is to fall in love with this sound. So he closes his eyes and he goes into his imagination and then he opens his heart. He opens his eyes. He doesn’t hear ticking anymore. He hears music.

 And he spends the remainder of his time sailing through space in total bliss. In peace.

(Source: navigatetherisk)

Anúncios

A Superlua

O melhor momento para observar a Lua em 2012 será na noite deste sábado. O satélite natural da Terra estará bem maior e mais brilhante do que o comum. A última vez que ela esteve com essas proporções foi há 19 anos, em Março de 1993.


Esta merda tem de acabar


Primavera

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi acrescentado mais um quadro à obra de Vincent Van Gogh: “Natureza morta com flores do prado e rosas”, é uma pintura em óleo que foi feita por cima de uma outra, da autoria do artista, que representava dois homens praticando luta livre.

Van Gogh terá pintado inicialmente os dois homens praticando luta livre em 1886 durante a sua passagem pela Escola de Belas Artes de Antuérpia. Porém, chegado a Paris, decidiu pintar a natureza morta por cima desse tema. Fê-lo directamente, sem cobrir com tinta branca o tema anterior.

in Público


O Zodíaco mudou?!

O calendário do zodíaco que conhecíamos até aqui está desfasado cerca de um mês. Crises de identidade à parte, há quem tenha agora de repensar as tatuagens com a figura do signo a que julgava pertencer…

EU NÃO QUERO MUDAR!!!

Os astrónomos do Minnesota Planetarium Society, nos EUA, redefiniram o calendário do zodíaco. Na prática, quer dizer que a maioria de nós pertence ao signo anterior ao que julgava.

A confusão foi lançada por um artigo publicado no Minneapolis Star Tribune, que explicava que os antigos astrónomos da Babilónia basearam os signos na constelação na qual o Sol se encontrava no dia do nascimento. Só que, ao longo dos milénios, a força gravitacional da Lua terá feito a Terra oscilar no seu eixo, criando um salto de um mês no alinhamento das estrelas.

Mas há mais: é que o artigo menciona também um 13º signo, que ficaria entre Escorpião e Sagitário, mas que vários astrónomos têm desvalorizado, dizendo que se refere a uma 13ª constelação (Ophiuchus), que teria sido posta de parte pelos babilónios, por quererem apenas 12 signos.

Para os curiosos, fica o calendário, segundo a nova perspectiva:

Capricórnio: De 20 Janeiro a 16 Fevereiro
Aquário: De 16 Fevereiro a 11 Março
Peixes: De 11 Março a 18 Abril
Carneiro: De 18 Abril a 13 Maio
Touro: De 13 Maio a 21 Junho
Gémeos: De 21 Junho a 20 Julho
Caranguejo: De 20 Julho a 10 Agosto
Leão: De 10 Agosto a 16 Setembro
Virgem: De  16 Setembro a 30 Outubro
Balança: De 30 de Outubro a 23 Novembro
Escorpião: De 23 a 29 Novembro
Serpentário (Ophiuchus): De 29 Novembro a 17 Dezembro
Sagitário: De 17 Dezembro a 20 Janeiro


Acomodação

Um professor de economia americano disse que raramente chumbava um aluno, mas tinha chumbado, uma vez, uma turma inteira.

Esta turma em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava:  ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e “justo”.

O professor disse então:

“Ok, vamos fazer uma experiência socialista nesta classe! Ao invés de dinheiro, usaremos as vossas notas nos exames!”

Todas as notas eram concedidas com base na média da turma e, portanto, seriam “justas”. Significaria que todos receberiam as mesmas notas, ou seja, que ninguém chumbaria. Mas também significava, claro, que ninguém receberia 20 valores.

Logo que a média dos primeiros exames foi calculada, todos receberam 12 valores.

Quem estudou com dedicação ficou indignado, pois achou que merecia mais, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado!

Quando o segundo teste foi aplicado, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas boas de qualquer maneira.

Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que também eles se deveriam aproveitar da média das notas. Portanto, agindo contra os seus princípios, eles imitaram os hábitos dos preguiçosos.

Como resultado, a segunda média dos testes foi de 10 valores.

Ninguém gostou.

Depois do terceiro teste, a média geral foi de 5 valores.

As notas nunca mais voltaram a patamares mais altos, mas as desavenças entre os alunos, a procura de responsáveis e os insultos passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela turma.

A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações e inimizades. No fim de contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar os outros.

Portanto, para sua total surpresa, todos os alunos chumbaram…

O professor explicou que a experiência socialista tinha falhado porque ela era baseada no menor esforço possível por parte de seus participantes. Inércia e mágoas foi o resultado apurado.

Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual a experiência tinha começado.

“Quando a recompensa é grande”, disse, o professor, “o esforço pelo sucesso é grande, pelo menos para alguns de nós.”

«Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros sem o seu consentimento para dar a outros que não lutaram por elas, então o fracasso é inevitável.”

Adrian Rogers, 1931


Cultura Geral (V)

Aquelas coisas que sabemos mas não nos lembramos

No Novo Testamento, no livro de São Mateus, está escrito ‘ é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha que um rico entrar no Reino dos Céus ‘. O problema é que São Jerónimo, o tradutor do texto, interpretou a palavra ‘ kamelos‘ como camelo, quando na verdade, em grego, ‘kamelos‘ são as cordas grossas com que se amarram os barcos. A ideia da frase permanece a mesma, mas qual parece mais coerente?


Cultura Geral (IV)

Aquelas coisas que sabemos mas não nos lembramos

Durante a Guerra de Secessão, quando as tropas voltavam para o quartel após uma batalha sem nenhuma baixa, escreviam numa placa imensa: ‘O Killed’ (zero mortos).

Daí surgiu a expressão ‘ O.K.’ para indicar que tudo está bem.


Cultura Geral (III)

Aquelas coisas que sabemos mas não nos lembramos

As Sete Cores do ArcoÍris

 
Na mitologia grega, Íris era a mensageira da deusa Juno. Como descia do céu num facho de luz e vestia um xaile de sete cores, deu origem à palavra arco-íris. A divindade deu origem também ao termo íris, do olho.
Vermelho – Laranja – Amarelo – Verde – Azul – Anil – Violeta 

 


Cultura Geral (II)

Aquelas coisas que sabemos mas não nos lembramos

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo:

Seis dos sete admiráveis monumentos e esculturas da antiguidade já desapareceram. Só restaram as pirâmides do Egipto. Não se sabe sequer o aspecto que os outros tinham, mas é possível imaginá-los a partir das descrições imperfeitas e das reproduções estilizadas em moedas antigas. A primeira lista das maravilhas do mundo teria sido feita pelo poeta grego Antipatro de Sídon, entre os anos 150 a 120 a.C.  

 As Pirâmides de Gizé

   As pirâmides de Gizé estão localizadas na esplanada de Gizé, na antiga necrópole da cidade de Mênfis, e atualmente integra o Cairo, no Egito..O que mais chama a atenção para estes monumentos é o uso de gigantescos blocos de pedra em sua construção, muitos dos quais possuem peso estimado em mais de 200 toneladas. Não há, literalmente, blocos pequenos aqui: cada bloco é enorme, os menores pesando cerca de 50 toneladas. É difícil entender como tais monstros megalíticos foram levantados, manobrados e postos no lugar pelos antigos egípcios.A construção da pirâmide foi feita com pedras justapostas, ou seja “encaixadas”, sem auxílio de cimento ou qualquer material colante, e alguns blocos estão tão bem unidos que não é possível passar entre eles uma folha de papel.Do tamanho de vários campos de futebol, as pirâmides foram construídas para se adaptarem aos movimentos de expansão e contração sob a ação do calor ou do frio, ou mesmo terremotos e outros fenômenos da natureza, e após 4.600 anos,  sua estrutura seria danificada seriamente sem esse tipo de cuidado.

 

  As Muralhas e os Jardins Suspensos da Babilónia

   Foram construídos por Nabucodonossor, segundo historiadores do passado, para sua esposa e rainha, que ele tinha trazido da Média, e tinha “paixão pelos arredores montanhosos” de usa terra natal. A rainha, achando a cidade da Babilónia muito plana e depressiva, foi a inspiração para o rei criar o jardim cheio de terraços, para recriar o terreno verde e montanhoso de sua terra natal. A construção dos jardins em terraços, fazia com que estes se parecessem com pequenas elevações, ou montanhas, com as árvores ao topo, sendo vistas de uma distância considerável por sobre as muralhas do palácio de Nabucodonossor. Sem dúvida, este fato fez perpetuar o sentido de ilusão e maravilha se perpetuasse e o termo jardins suspensos também, ao invés de sobrepostos. Os jardins botânicos com flores fragrantes e esculturas surgiam dentre piscinas e fontes. Árvores frutíferas acentuavam as áreas rectangulares cultivadas, sob a sombra das árvores. Água descia em cascata do lago reservatório por sobre a vegetação localizada em baixo.

O Mausoléu de Helicarnasso (ou o Túmulo de Máusolo em Éfeso)

 O O Mausoléu de Halicarnasso foi a construção que a rainha Artemísia mandou fazer para abrigar o cadáver do rei Mausolo.

 

 

 

 

 

 

 

A Estátua de Zeus, de Fídias  

Na cidade grega de Olímpia, na planície do Peloponeso, estava a quinta maravilha: a estátua de Zeus, esculpida pelo célebre ateniense Fídias, no século V a.C., quando a cidade já caíra sob o domínio de Esparta. Essa é considerada sua obra-prima. Tanto os gregos amavam seus trabalhos que dizia-se que ele revelava aos homens a imagem dos deuses. Supõe-se que a construção da estátua tenha levado cerca de oito anos. Zeus (Júpiter, para os romanos) era o senhor do Olimpo, a morada das divindades. A estátua media de 12 a 15 metros de altura – o equivalente a um prédio de cinco andares – e era toda de marfim e ébano. Seus olhos eram pedras preciosas. Fídias esculpiu Zeus sentado num trono. Na mão direita levava a estatueta de Nike, deusa da Vitória; na esquerda, uma esfera sob a qual se debruçava uma águia. Supõe-se que, como em representações de outros artistas, o Zeus de Fídias também mostrasse o cenho franzido. A lenda dizia que quando Zeus franzia a fronte o Olimpo todo tremia, acreditando-se que foi destruída, em 1215, por um terramoto

O Templo de Artemisa (ou Diana)

 Construído para a deusa grega da caça e protectora dos animais selvagens, foi o maior templo do mundo antigo.  Feito em 550 a.C. em Éfeso, actual Turquia.

 

 

 

 

O Colosso de Rodes

 O Colosso de Rodes foi uma estátua de Hélios, deus grego do sol, construída entre 292 a.C. e 280 a.C. pelo escultor Carés de Lindos, que a concluiu doze anos depois. A estátua tinha trinta metros de altura, 70 toneladas e era feita de bronze. Uma embarcação que chegasse à ilha grega de Rodes, no Egeu por volta de 280 a.C. passaria obrigatoriamente sob as pernas da estátua de Hélios, protector do lugar. É que o colosso tinha um pé em cada margem do canal que dava acesso ao porto. Na mão direita da estátua havia um farol que orientava as embarcações à noite. Era uma estátua tão imponente que um homem de estatura normal não conseguiria abraçar seu polegar. O monumento foi erguido nas proximidades do porto e permaneceu em pé pouco tempo, até 225 a.C., quando um terramoto o destruiu. Ali ficou em ruínas até que os árabes invadiram Rodes, no ano de 654, desmontaram as peças quebradas e as venderam.

 

O Farol de Alexandria

Considerada uma das maiores produções da técnica da antiguidade. Foi construído na ilha de Faros, em frente à cidade de Alexandria. Neste primeiro farol obtinha-se a luz acendendo em seu cume uma grande fogueira utilizando, provavelmente, estrume seco, e um jogo de espelhos de bronze. O efeito era tão grandioso que, segundo relatos da época, era como se um sol brilhasse a noite. Por mais de cinco séculos, guiou todos os navegantes, num raio de 55 quilómetros da antiga cidade egípcia. Dele nasceu o nome com o qual se designam hoje estas torres que dão sinais aos navegantes. Essa obra, feita toda em granito, começou a ruir no século IV, quando terramotos e deslizamentos tragaram boa parte de Alexandria, acabando com o brilho da “cidade dos mil palácios”.


Cultura Geral (I)

Aquelas coisas que sabemos mas não nos lembramos

Os Sete dias da Semana e os ‘Sete Planetas’ 

Os dias, nos demais idiomas –  com excepção da língua portuguesa – mantém os nomes dos sete corpos celestes conhecidos desde os babilónios:  

Português Planeta Inglês Francês Planet
Domingo dia do Sol Sunday Dimanche Sun
Segunda dia da Lua Monday Lundi Moon
Terça dia de Marte Tuesday Mardi Mars
Quarta dia de Mercúrio Wednesday Mercredi Mercury
Quinta dia de Júpiter Thursday Jeudi Jupiter
Sexta dia de Vénus Friday Vendredi Venus
Sábado dia de Saturno Saturday samedi Saturn